O empreendedor Raul Seixas

Por Isaias Costa

Raul-Seixas

Você sabia que o Raul Seixas foi um grande empreendedor? Sabe por quê? Porque ele fez uma revolução na música brasileira, mostrando sem medo os seus pensamentos questionadores e seu estilo “maluco beleza”. Estava lendo um trecho do livro “Raul Seixas: uma antologia”, de Sylvio Passos que me chamou muita atenção para esse ponto:

Foram os Beatles que me deram a porrada. Foi quando os Beatles chegaram e passaram a cantar as próprias coisas deles que eu vi, poxa, estes caras estão cantando realmente a vida, estão dizendo o que há pelo mundo, o que pensam. Então eu posso fazer a mesma coisa, dizer exatamente o que eu penso em minhas músicas. Foi quando eu comecei a compor, juntando tudo no meu caderninho”

Raul Seixas

Eu fiquei absolutamente fascinado por essas palavras. Elas mostram o espírito empreendedor do Raul Seixas. O que é ser empreendedor? É seguir o seu próprio caminho rumo ao sucesso, acreditando nos talentos pessoais e lutando para atingir os objetivos, sempre se espelhando nos melhores. Sempre tendo os melhores como referência. Por que será que o Raul se tornou um mito? Com certeza a sua imensa inteligência contribuiu bastante para isso, mas tenho certeza que as suas influências musicais contaram bem mais do que sua inteligência em si.

As grandes referências

Isso é muito interessante, pois pode ser levado para todos os campos profissionais. Eu estou seguindo o caminho da escrita e da educação, então procuro as maiores referências nestas áreas, se alguém é do ramo do direito, deve procurar os melhores, o mesmo para Administração, Medicina, Química, Teatro etc.

Vale ressaltar esta frase: Então eu posso fazer a mesma coisa, dizer exatamente o que eu penso em minhas músicas. Eu penso desta mesma forma e isso me faz cada vez mais acreditar que estou no caminho certo. Já falei em posts anteriores e, principalmente, no meu e-book “Descobrindo um novo sentido no viver”, que já quis seguir o caminho acadêmico para me tornar pesquisador, mas o fato de ter que me especializar em um única área e ficar sempre estudando a mesma coisa, nunca me agradou tanto, e hoje sei que jamais seria plenamente feliz seguindo esse caminho. Então o que eu fiz e continuo fazendo? Seguindo meu próprio caminho e escrevendo os meus próprios textos, expondo os meus pensamentos da maneira que eu gosto, com os assuntos que eu gosto, quando quero e tendo uma liberdade que eu nunca poderia ter na universidade. Para mim é quase um êxtase escrever sobre o Raul Seixas, quem me conhece sabe o quanto eu sou fã dele. Eu não troco por nada a oportunidade de publicar um texto como esse para seguir uma carreira acadêmica, aprendendo “cada vez mais de cada vez menos”, como diria o mestre Rubem Alves. Se quiser ler mais sobre isso, deixo o link com o meu e-book gratuito abaixo.

E-book: descobrindo um novo sentido no viver

Outro detalhe importante que mostra o lado empreendedor do Raul Seixas é o quando ele fala que levou uma porrada dos Beatles chegando com suas próprias canções. Antes disso ele ficava vagando com seus milhões de pensamentos desconexos, ficando apenas na sua mente ou no máximo em algum rabisco sujo. Ele trabalhava como produtor musical, se escondendo atrás dos discos. Permanecer assim levaria o Raul Seixas para onde? Para lugar nenhum! Porém, ele teve essa “sacada”, esse “insight”, vendo os Beatles e o sucesso que eles estavam conquistando. O Raul era um cara muito ambicioso, ele queria ser o melhor e fez acontecer isso. É uma pena que ele tenha morrido tão precocemente por conta de sua vida sem limites e cheia de vícios. Se você ler um pouco sobre a vida dos grandes empreendedores do mundo vai descobrir que houve um tempo no início de suas empreitadas em que sentiram medo, receios, sentimentos de inferioridade, mas levaram uma porrada que os levaram a ter suas brilhantes ideias. Com o Raul não foi diferente, essa porrada veio com os Beatles. A minha porrada veio, principalmente, com o curso de Física, que me levou a buscar um intenso caminho de autoconhecimento, que desembocou em uma mudança de carreira e no surgimento de um novo escritor brasileiro chamado Isaias Costa.

Esse é o empreendedor Raul Seixas. Espero que o exemplo dele tenha feito você pensar e tenha lhe motivado. Ahh! Se você ainda acha que não pode se tornar um empreendedor,replico as palavras do grande empresário Flávio Augusto: EMPREENDER É PARA TODOS, para mim, para você, para o carteiro, o padeiro, o pipoqueiro, o trocador de ônibus, o gari, a recepcionista, TODOS, sem exceção. Vamos ser empreendedores?…

Anúncios
O empreendedor Raul Seixas

O mundo precisa de loucos

Por Isaias Costa

O que seria do mundo sem um louco como esse?
O que seria do mundo sem um louco como esse?

Recentemente li uma poesia fantástica que me fez refletir sobre a loucura. Será que a loucura é uma coisa ruim? Ou será que é o que mais está fazendo falta no nosso mundo? Não estou falando daquela loucura de hospitais psiquiátricos, estou falando daquela loucura boa, que nos faz sermos ousados e buscarmos caminhos diferentes e originais. Cada vez mais eu me dou conta que as pessoas que são consideradas loucas são as que mais contribuem para a melhoria do mundo. Exatamente! É como eu intitulei esse post. O mundo precisa de loucos. As pessoas estão se tornando o que luto todos os dias para não me tornar, PREVISÍVEIS. Você olha para alguém e já sabe tudo que ela vai fazer e muitas vezes até o que vai dizer. Isso é horrível e destruidor. E uma das primeiras coisas que destrói é a CRIATIVIDADE. Perceba! Não tem como uma pessoa previsível ser criativa, porque ela faz o que todo mundo faz, não inova, não foge às regras, não dá uma pitada de ousadia e não vive o valor da descoberta. Já os imprevisíveis não. Estes quase sempre são criativos, estão sempre com o cérebro fervilhando de ideias, estão sempre tomando atitudes mais ousadas e logicamente, agregando valor à vida das pessoas. Vamos ser loucos e fazer desabrochar em nós essa criatividade tão necessária.

Enfim! Vamos à poesia, da autoria de Avany Morais.

Loucos

Falar de loucos é falar de sábios!
Posto que, loucos veem além da visão…
Sentem nos lábios a essência da vida
E discordam, sem pedir permissão.

Loucos… Precisamos destes loucos
Para virar a mesa, jogar o jogo bruto,
Mudar o mundo, as regras, não aos poucos,
Mas mudar abruptamente, num espaço curto.

No caos que se encontra nosso País no momento,
Atravessando duramente tanto descontentamento,
Para mudar, hoje, ser louco é a única solução.
Somente um louco, poderia revolucionar a nação.

Um louco que sonhando seja capaz de o mundo mudar…
Que vivendo seja na terra, no ar ou no mar, ouse…
Crie, invente, faça seu pensamento ecoar, vibrar…
Sem medos, sem tabus, um louco essencial capaz de amar.

Você percebe a maravilha que acabou de ler? Os loucos são os sábios. São aqueles que revolucionam o mundo, que fazem o mundo sair da mesmice e do marasmo. Sem os loucos, o mundo não teria graça nenhuma, nem graça de riso, nem graça de bênçãos. Eu amo os loucos, tenho uma admiração sem palavras por eles. Eu quero ser louco, quero lhe convidar hoje a também fazer parte desse grupo seleto e que também queira se orgulhar de sê-lo.

Tem uma frase de um cara que sou fã e lembro o tempo todo. Estou falando do mestre Raul Seixas. Em sua música “maluco beleza” temos a frase: “Vou ficar, ficar com certeza, maluco beleza…”. Raul era louco e adorava isso, e na música “quando acabar o maluco sou eu” temos a frase: “Eu sou louco, mas sou feliz. Muito mais louco é quem me diz, eu sou dono do meu nariz, em feira de Santana ou mesmo em Paris...”. Nessa última frase percebemos claramente a sua ousadia e vida totalmente sem regras. Essa vida sem regras o fez desenvolver todo o seu potencial artístico, mas foi uma pena, porque também o levou a autodestruição. É nessa hora que digo que é importante dosar. Precisamos ser loucos, mas loucos moderados. Precisamos desenvolver aquela loucura que aguça a percepção e a criatividade, que são tão importantes para a melhoria pessoal e coletiva. Que tal apreciar estas duas músicas do Raulzito? Aqui estão os links com elas…

As palavras do fim da poesia também são bem filosóficas. São os loucos essenciais que fazem o mundo ser melhor. Eu adoro a palavra ESSENCIAL, e sempre que leio essa palavra me recordo do livro “o pequeno príncipe” e de sua célebre frase: “o essencial é invisível aos olhos”. Essa frase se encaixa perfeitamente nos loucos, pois eles têm algo essencial e que é invisível aos olhos, que se chama CRIATIVIDADE e OUSADIA. Dois ingredientes que fazem o mundo ser melhor e evoluir.

Você conhece uma das campanhas publicitárias mais famosas do mundo? A campanha da empresa Apple de 1997. Seu texto fala sobre os loucos como sendo as pessoas que mudam o mundo! O vídeo inspirador está logo abaixo.

“Isto é para os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os que são peças redondas nos buracos quadrados.
Os que vêem as coisas de forma diferente. Eles não gostam de regras. E eles não têm nenhum respeito pelo status quo. Você pode citá-los, discorda-los, glorificá-los ou difamá-los.
A única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas.
Eles inventam. Eles imaginam. Eles curam. Eles exploram. Eles criam. Eles inspiram.
Eles empurram a raça humana para frente.
Talvez eles tenham que ser loucos.
Como você pode olhar para uma tela em branco e ver uma obra de arte? Ou sentar em silêncio e ouvir uma música jamais composta? Ou olhar para um planeta vermelho e ver um laboratório sobre rodas?
Enquanto alguns os vêem como loucos, nós vemos gênios. Porque as pessoas que são loucas o suficiente para achar que podem mudar o mundo, são as que de fato, mudam.”

Portanto amigos. Vamos desenvolver essa loucura saudável e tão necessária nesse mundo de hoje. Um mundo coberto por pessoas medíocres que só pensam na vida como um passar de dias, que não se abrem ao novo e às possibilidades. Observe os loucos da humanidade, todos eles podem lhe ensinar a ser alguém melhor e mais criativo. Vou citar apenas alguns: Albert Einstein, Thomas Edison, Isaac Newton, Galileu Galilei, Nicolau Copérnico, Johannes Kepler, Arquimedes, Aristóteles, Leonardo da Vinci, Freud, Nietzsche, Rubem Alves, Mário Quintana, Clarice Lispector, Arthur Schopenhauer, Montesquieu, Carl Jung, William Shakespeare, e por aí vai. Eu amo todos esses loucos que citei e muitos outros. São esses loucos que fazem com que eu eleve os meus pensamentos a níveis que jamais conseguiria sozinho. Eles são grandes amigos meus. Não tenho contato com nenhum, vários já morreram, mas são grandes amigos, porque contribuíram e ainda contribuem para o meu crescimento humano e intelectual.

A ampliação do conceito de amizade- Parte 1

A ampliação do conceito de amizade- Parte 2

Vou concluir deixando um vídeo de outro louco que me inspira muito a escrever, estou falando do empresário Flávio Augusto, administrador do “Canal Geração de Valor” no facebook. Nesse vídeo ele conta parte da sua trajetória de sucesso e fala também das pessoas que o chamavam de louco e que hoje dão tapinhas nas suas costas. É um vídeo maravilhoso e que pode lhe inspirar a ser um pouco mais louco!

Nota: Texto publicado originalmente no blog “Para além do agora” e revisado neste blog.

O mundo precisa de loucos