Não tenha vergonha de mudar de opinião

Por Isaias Costa

borboleta-azul

Há poucos dias li uma frase muito bacana que desconheço a autoria, mas que me deixou bastante reflexivo e imediatamente me remeteu ao grande Raul Seixas e sua sabedoria. A frase dizia o seguinte:

“Vergonha não é mudar de opinião e sim não ter opinião para poder mudar”

O Raul entendia essa frase melhor do que ninguém. Ele se dizia ser uma “Metamorfose Ambulante” e uma das frases dessa música diz: “Eu vou desdizer aquilo tudo que eu lhe disse antes…”. Essa frase está dizendo praticamente a mesma coisa que a frase exposta mais acima.

Muitos não entendem o que o Raul quis dizer com essa frase, pensam que ele está se contradizendo ou não tem convicção do que diz. Essa concepção é completamente equivocada.

Sabe o que o Raul quis dizer ao colocar essa frase na música? Que ele está APRENDENDO o tempo todo e que aquilo que foi dito antes pode e certamente será APERFEIÇOADO. E nesse processo de aperfeiçoamento, uma série de ideias e concepções antigas caem por terra completamente!

O Raul quando mais jovem certamente acreditava e falava sobre uma série de coisas que à medida que foi aprendendo e crescendo em sabedoria deixou para trás.

É libertador pensar assim meus amigos! Infelizmente muitos têm MEDO de aprenderem coisas novas, de se aperfeiçoarem e de abandonarem velhas crenças, velhos dogmas ou até mesmo velhos costumes!

O Raul em praticamente todas as músicas fazia duras críticas a todo esse medo. Eu acho linda a música “Por quem os sinos dobram”, na qual ele diz: “Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz. Coragem, coragem, eu sei que você pode mais…”. Ou seja, só pode mais aquele que vai atrás, que investiga, que não se contenta com migalhas de tudo, inclusive migalhas de conhecimento!

Eu sempre quis avançar infinitamente no conhecimento, e como até já falei em textos anteriores. Só mesmo estudando profundamente o Raul Seixas para alcançar o seu nível de compreensão da vida, algo que só estou conseguindo porque estou me dando a esse direito. Estou me dando essa abertura de mente!

Trouxe essa frase também com o objetivo de falar sobre a raiz etimológica da palavra “vergonha”. Talvez você não saiba, mas a raiz dessa palavra vem do verbo “Vergar-se”, ou seja, sente vergonha aquela pessoa que “se verga” para outra, que fica acuada, cabisbaixa, reticente, medrosa…

O Raul passou a vida inteira condenando essa atitude submissa. É por isso que eu costumo dizer nos meus textos que o sentimento de vergonha tem profundas raízes emocionais de medo que foram cultivados desde a infância.

Só podemos curar nossos medos buscando incessantemente o AUTOCONHECIMENTO, coisa que o Raul fez ao longo de toda a sua vida. Ele era um devorador de livros e tinha o sonho de ser escritor, mas sabia que no Brasil sempre foi muito difícil se destacar sendo escritor.

Desde muito jovem ele não só queria, mas sabia que se tornaria um mito, então optou pelo caminho que faria com que esse reconhecimento fosse acelerado!

Essa foi uma reflexão que tive recentemente e com alegria compartilho com você! Se o Raul tivesse se tornado de fato escritor em vez de músico, você sabia que ele se tornaria um mito também? O grande problema seria o fator TEMPO. Ele levaria talvez um século ou mais para ter seus escritos reconhecidos de forma universal. Como esse baiano magricelo era inteligente hein? hehehe.

Falo isso com propriedade porque foi assim com os grandes gênios da literatura, entre eles um dos exemplos mais enfáticos é o grande Friedrich Nietzsche. Seu pensamento estava tão à frente do seu tempo que só depois de muito tempo ele foi considerado um grande gênio e aclamado ou mesmo idolatrado por muitos.

Portanto! Assim como o Raul, quero através desse texto lhe motivar a sempre buscar mais e mais o conhecimento, porque ele é libertador. Quanto mais fundo a gente vai no conhecimento, mais nossa visão se amplia e podemos sem um pingo de vergonha “desdizer tudo aquilo que foi dito antes…”. Viva Raul!

 

Não tenha vergonha de mudar de opinião

Eu quero é ter tentação no caminho

Por Isaias Costa

raulzito_thumb

Você sabia que existe uma palavra da língua portuguesa que as pessoas “morrem de medo”, mas na realidade é uma das mais bonitas e ricas que existe?

Estou falando da palavra TENTAÇÃO. Eu amo essa palavra, eu quero ter mais e mais tentação no meu caminho.

Nada melhor do que me inspirar no mestre Raul Seixas para escrever esse texto trazendo novos paradigmas! Vamos lá?

Na sua linda música “Eu sou egoísta” ele diz:

“Enquanto eu provo sempre o vinagre e o vinho, eu quero é ter tentação no caminho, pois o homem é o exercício que faz…”

Essa frase é de uma profundidade incrível. Mas antes de interpretá-la e aprofundá-la, vamos ao significado da palavra tentação.

TENTAÇÃO = TERTAR + AÇÃO = AÇÃO DE TENTAR = TENTAR ALGO

Bacana não é mesmo? Voltando ao Raulzito! Nesta mesma música ele diz assim!

“O que eu como a prato pleno. Bem pode ser o seu veneno. Mas como vai você saber… sem tentar?”

Como você pode saber alguma coisa se você não tenta, hein?

Sabe o que é isso? MEDO, MEDO, MEDO!

O Raul foi um cara que mergulhou tanto no autoconhecimento que ele perdeu praticamente todos os seus medos! Ele sabia que tinha valor, sabia que era um ser humano diferenciado.

Não foi à toa que ele teve a coragem de dizer: “Eu sou a luz das estrelas”, ou mais forte ainda: “E não existe Deus senão o próprio homem”.

Aqui, chegando nesse ponto, podemos começar a entender porque as pessoas têm tanto medo das tentações. Sabe o que é? Esse medo foi IMPLANTADO no subconsciente individual e no inconsciente coletivo, como diria o grande Carl Jung.

E quem foram as maiores propagadoras desse medo? As religiões! E por estamos no Brasil, em especial, a católica.

Ela distorceu uma das mais profundas orações do mestre dos mestres Jesus Cristo!

Na oração do “Pai Nosso” ele diz: “E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”.

Vou explicar para você OK? É preciso entender bem o verbo CAIR. Jesus queria que buscássemos a tentação. Mas veja bem! Ele disse para não cair nas tentações, ou seja, TENTE, mas não tente pelo caminho errado.

E sabe qual é o caminho errado segundo Jesus Cristo? Aquilo que vem do EGO.

“Não nos deixes cair em tentação, mas livrai-nos do mal”

Livrar-se do mal é se livrar de tudo aquilo que vem do nosso EGO. E o “Pai nosso” é na realidade o nosso EU MAIOR, a nossa natureza crística que habita o mais profundo do nosso coração!

Sei que provavelmente estou dando um nós na sua cabeça e talvez alguns dos leitores estejam se contorcendo agora e é provável que vários nem tenham lido até aqui. Viram a palavra TENTAÇÃO e saíram correndo! rsrsrsrs

As pessoas rezam diariamente o “Pai nosso” pedindo para não ter tentação, mas é justamente o contrário. Jesus nos incentiva a buscarmos cada vez mais tentações, mas antes de tentar, é importante encontrar a SABEDORIA! Para não quebrar a cara, se machucar e machucar os outros…

E como conseguir sabedoria? Ela não cai dos céus na nossa cabeça! Jamais! Ela vem acima de tudo pela MEDITAÇÃO, pelo SILÊNCIO.

O Raul disse muito sabiamente: “E quem sabe não fala, não diz”.

Quem SABEé quem tem sabedoria! As pessoas sábias são silenciosas, já percebeu? Elas não precisam tagarelar por aí para convencer ninguém de nada. Elas são convictas de quem são e por isso permanecem em silêncio, em pura contemplação do SER.

O Raul fala nessa música que come a prato pleno. Esse prato pleno quer dizer isso. Estar vivendo de maneira PLENA. Mas para a maior parte das pessoas isso é como um VENENO. Por quê, hein? Porque dá muito medo você ser verdadeiro, você ser autêntico, você ser VOCÊ!

Então ele lança um desafio, um questionamento: “Mas como vai você saber, sem tentar?”

Você já tentou ter a coragem de ser você mesmo?

Essa é uma pergunta bem difícil sabia? Ela me faz lembrar as palavras do mestre Sócrates: “Conhece-te a ti mesmo”.

O grande segredo do universo é CONHECER A SI MESMO.

E o Raul dizia: “Dentro do mambo e da consciência está o segredo do universo”.

O segredo do universo está na sua CONSCIÊNCIA, está DENTRO DE VOCÊ!

Mas como vai você saber sem tentar? Tente! E não tente só uma vez, viu? Tente sempre, tente todos os dias! Quanto mais você tentar, quanto mais tentações, mais perto estará da sua verdade.

E complementando com Jesus: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará…”.

A oração do “Pai nosso” do mestre Jesus, é bastante simbólica. Sabe o que Jesus quis dizer sobre as tentações? Ele quis dizer para não sermos MEDÍOCRES, para não ficarmos a vida inteira na MESMICE.

Essa oração seria facilmente compreendida pela grande massa se fosse substituída por essa frase: “E não nos deixeis nos tornarmos medíocres, mas livra-nos deste mal”.

Então, talvez assim, as pessoas dissessem: “Ah! Se Jesus disse isso, então vou procurar fazer o mesmo.”

Precisava gente? Acho que não! Mas hoje estou esclarecendo isso para você!

Quer sair da mediocridade? Eu escrevi um texto especial só para falar sobre ela. Se você ainda não leu, o link está logo abaixo!

A mediocridade das pessoas

Depois da leitura desse texto, será que você vai continuar com medo das tentações? Se quiser continuar com medo delas, tudo bem, trata-se de uma escolha sua! Respeito! Siga em frente!

O que acha de criar essa coragem para ser você mesmo? Para isso queira mais tentações na sua vida!

“Eu quero é ter tentação no caminho, pois o homem é o exercício que faz…”

 

 

 

Eu quero é ter tentação no caminho

Eu perdi o meu medo da chuva

Por Isaias Costa

rain1

O Raul Seixas, com toda a poesia que existia em suas letras e canções, transmitia a cada um de nós, muito mais do que apenas meras ideias em 2 ou 3 minutos.

Toda uma filosofia de vida era transmitida em cada uma de suas músicas. Escutando bastante e estudando suas preferências, o que ele também gostava de ler, pouco a pouco estou descobrindo coisas que só um olhar mais atencioso consegue!

Vou fazer uma breve reflexão a partir da mensagem mais metafísica da linda música “Medo da chuva”. Nesse texto não vou me ater a letra completa porque já escrevi um texto com a interpretação desta música completa, cujo tema principal é um casamento que não deu certo. Se você ainda não leu esse texto, recomendo fortemente, o link está logo abaixo…

Medo da chuva

Nesta estrofe, existe uma ideia interessantíssima que tratarei a seguir:

Eu perdi o meu medo

O meu medo, o meu medo da chuva

Pois a chuva voltando

Pra terra traz coisas do ar

Aprendi o segredo, o segredo

O segredo da vida

Vendo as pedras que choram sozinhas

No mesmo lugar

*********

Esse medo da chuva tem uma relação com o medo das mudanças e também o medo de ter uma liberdade maior.

Ele fez essa metáfora com a chuva para revelar uma das maiores maravilhas que existe na natureza, TUDO ESTÁ EM FLUXO PERMAMENTE.

Se você observar bem a natureza, nela não existe nada parado, até mesmo as pedras sabia? As pedras estão passando o tempo todo pelo processo de erosão, principalmente aquelas que se encontram no mar, recebendo a força das ondas. Dentro de centenas de anos, todas as pedras que hoje existem se transformarão em areia, em pó!

Então o Raul diz na música: “Aprendi o segredo da vida vendo as pedras que choram sozinhas no mesmo lugar”.

Essas pedras são os seres humanos que tem medo dessa liberdade, medo de serem quem são, que se escondem por trás de uma máscara, de um sacramento da igreja que no fundo eles não acreditam profundamente.

A água que vem com a chuva um dia esteve na terra, evaporou, trouxe coisas do ar e volta para a terra para iniciar um NOVO CICLO.

A água que passa por um ciclo é a mesma? Definitivamente não! Cada vez que ela evapora é uma nova água. Por exemplo! Uma água que evapora na praia de Copacabana pode vir a cair no interior da Bahia levada pela própria natureza. Não é interessante isso?

O Raul utilizou toda a sua genialidade para nos mostrar que se buscarmos a segurança em algo que não existe como o sacramento do casamento, podemos nos arrepender amargamente e sofrermos em demasia. A nossa confiança deve estar sempre dentro de nós mesmos e o amor profundo deve sempre brotar dos corações livres e conscientes.

O Raul de certa forma conseguiu amar com mais consciência, como ele era uma metamorfose ambulante, suas próprias mudanças não favoreciam que ele continuasse com a mesma esposa pelo resto da vida. Hoje consigo compreender muito bem isso, e não há nada de errado com isso, porém, a igreja vem nos impor que devemos ficar junto com a outra pessoa “até que a morte nos separe”.

Para o Raul isso é um atentado contra a liberdade, por isso que ele diz: “porque quando eu jurei meu amor eu traí a mim mesmo…”.

Portanto, que essa genial música do Raul lhe leve a refletir com mais profundidade sobre a sua vida. Será que você não está querendo tornar permanente algo que no fundo sente que é impermanente?  Será que você acabou se transformando em uma pedra que sonha no mesmo lugar, que não ousa, que não se rebela com essa sociedade doente? Será que você tem medo da chuva, de ser como essa água que evapora e retorna em outro lugar mais bonito, mais florido, mais perfumado?

Reflita! Em minha opinião, essa é uma das músicas do Raul que mais nos permite refletir de forma profunda. Boa viagem…

 

 

 

Eu perdi o meu medo da chuva

Aquela coisa

Por Isaias Costa

Hoje vou fazer uma breve reflexão a partir de uma das músicas que mais gosto do grande Raul Seixas, chamada “Aquela coisa”. Uma música genial com uma letra genial, mas infelizmente, desconhecida por muita gente. Segue o link com ela (recomendo que escute antes de continuar a ler o post).

Essa música reflete uma parte das insatisfações do Raul com a forma de pensar e de viver da grande maioria das pessoas. Ele tinha um pensamento extremamente questionador e sempre se perguntava se a vida era pra ser do jeito que era. Ele inicia falando que seu sofrimento é fruto de uma educação que impõe regras e preceitos. Em seguida ele fala sobre uma coisa que adoro e não me canso de repetir nesse blog, VIVER O HOJE. Ele questiona os que vivem no passado e não o enterram de vez. Perceba a ligação! Ele associa o sofrimento com o passado, que acaba gerando ciúmes e preconceitos de amor. Daí vem o refrão com uma esperança de que é preciso TENTAR, porque é com o tentar que uma coisa NOVA pode lhe acontecer. E esse novo só existe no AGORA, o novo não existe no passado, mas no hoje.

No refrão dessa música ele ensina a ter mais OUSADIA. E deixa claro que tudo é uma questão de possibilidade. Eu acho engraçado que realmente vivo essa questão da possibilidade. Raramente digo que uma coisa é absolutamente certa ou que não existam possibilidades. Quase sempre digo a palavra mágica TALVEZ para quase tudo. Quem me conhece sabe que essa é uma das palavras que mais falo, e acho que aprendi isso com o Raul. Eu escuto tanto as suas músicas que isso ficou entranhado em mim. Que tal você começar a ver as coisas sob a perspectiva da possibilidade? Pode ter certeza que você vai se tornar uma pessoa muito mais questionadora, como foi comigo. Isso é incrível, porque ver as coisas nesse ângulo nos faz abrir a cabeça e entender outras possibilidades. Faz-nos entender que as nossas verdades são apenas individuais, e não absolutas, como muitos querem impor, e com tudo isso, aguçamos o senso crítico para ver e absorver aquilo que for mais inteligente e sábio. É por isso e muito mais que sou e sempre serei fã do Raul, porque ele ampliou os meus horizontes e hoje vejo a vida com olhos muito mais profundos…

A verdade absoluta e a verdade individual

O trecho mais genial da música vem em seguida: “Minha cabeça só pensa aquilo que ela aprendeu. Por isso mesmo, eu não confio nela eu sou mais eu. Sim… pra ser feliz e olhar as coisas como elas são. Sem permitir da gente uma falsa conclusão. Seguir somente a voz do seu coração…”.

Nesta parte da música ele questiona um universo de possibilidades e pensamentos. Nestas poucas frases estão englobadas milhares de reflexões, livros, teses e um diabo a quatro de pensamentos filosóficos sem uma resposta concreta até hoje. Estou enfatizando bem porque essa reflexão é extremamente profunda. Ele está questionando o nosso pensamento, e está falando indiretamente sobre a MEDIOCRIDADE e os pensamentos ORIGINAIS. Ele está dizendo que a tendência natural da maior parte das pessoas é ser ALIENADA e não questionar seus próprios pensamentos. Mas ele não é um medíocre, e também deixa isso bem claro: Por isso mesmo, eu não confio nela eu sou mais eu. Genial! Questione-se! Porque você pensa do jeito que pensa? Será que esse é o caminho certo? Será que você não está sendo levado a fazer o que todo mundo faz? Será que as crenças que lhe enfiam goela abaixo são para o seu crescimento humano ou para lhe deixar alienado? Será que você não sai por aí afirmando coisas que não poderiam nem deveriam ser afirmadas, porque você não sabe a verdade absoluta? Será que o seu coração está lhe dizendo uma coisa, mas o seu medo lhe impede de seguir o que ele está dizendo? Será que o medo de ser rechaçado ou isolado ou abandonado pelos outros lhe faz continuar tendo os mesmos pensamentos? Será que você não enfrenta aquela pessoa que está lhe fazendo mal só por causa do medo? Ou porque essa pessoa está acima de você em termos sociais, financeiros, ou de liderança? Será que você não quer extravasar muita coisa guardada no coração e não consegue fazer por causa de um monte de lixo que lhe foi ensinado? Pense sobre isso? Questione-se! Eu consigo só com essa música me fazer esses questionamentos e muitos outros? Quer uma dica legal! Escute essa música de novo! Baixe na internet e escute muitas vezes. Essa e outras músicas do Raul tem um poder incrível de nos fazer sair da inércia eterna e pensar grande. Sair das mesmices. Grande Raul!…

Questione-se!
Questione-se!

Vou concluir lhe fazendo o mesmo desafio que o Raul propõe na sua bela canção: Abandonar o que aprendi, parar de sofrer. Viver é ser feliz e nada mais… Que tal você começar a abandonar muitas das crenças e ensinamentos sem fundamentos que lhe foram empurrados goela abaixo a vida inteira? A nossa vida foi feita para ser vivida com intensidade e com felicidade. E nós só podemos ser verdadeiramente felizes se os nossos pensamentos comungam com os nossos atos. Na realidade, o que estou dizendo aqui é para deixar de ter HIPOCRISIAS. Isto é outra coisa que me faz ser fã do Raul. Ele poderia até ser um viciado em drogas, prostituição e bebidas, mas se tem uma coisa que ele nunca foi é hipócrita. Ele tinha seus ideais e lutava por eles até o fim, não se deixava corromper e se tornar um medíocre, que infelizmente é o caminho escolhido pela maioria. Viver é ser feliz e nada mais…

Nota: Texto publicado originalmente no blog “Para além do agora”.

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Aquela coisa

Vamos pular o muro?

Por Isaias Costa

O Raul e o Zezinho...
O Raul e o Zezinho…

Uma das músicas do Raul Seixas que só os seus fãs conhecem é a “No fundo do quintal da escola”. Essa música é incrível e realmente tenho vivido na pele boa parte das reflexões propostas por ela. Ela nos encoraja a pular os muitos muros presentes na vida e que, muitas vezes, nós mesmos que construímos com um concreto duro e espesso. Neste texto eu quero lhe fazer refletir sobre isso e estimulá-lo a também pular os seus próprios muros, que sei que são vários… Vamos viajar?

Esta é a música com a letra completa:

****

Não sei onde eu tô indo
Mas sei que eu tô no meu caminho
Enquanto você me critica, eu tô no meu caminho

Eu sou o que sou, porque eu vivo a minha maneira
Só sei que eu sinto que foi sempre assim minha vida inteira
Eu sei..

Não sei onde eu tô indo
Mas sei que eu tô no meu caminho
Enquanto você me critica, eu tô no meu caminho

Desde aquele tempo enquanto o resto da turma se juntava pra:
Bate uma bola!
Eu pulava o muro, com Zézinho no fundo do quintal da escola

Não sei onde eu tô indo
Mas sei que eu tô no meu caminho
Enquanto você me critica, eu tô no meu caminho

Você esperando respostas, olhando pro espaço
E eu tão ocupado vivendo, eu não me pergunto, eu faço

Não sei onde eu tô indo
Mas sei que eu tô no meu caminho
Enquanto você me critica, eu tô no meu caminho

E se você quiser contar comigo e melhor não me chamar pra jogá bola
tô pulando o muro com o Zézinho no Fundo do quintal da escola
Eu tô..
Eu tô pulando o muro com o Zézinho no Fundo do quintal da escola
Eu tô..
Eu tô pulando o muro com o Zézinho no Fundo do quintal da escola
Eu sempre estive lá
Eu tô pulando o muro com o Zézinho no Fundo do quintal da escola

****

Essa música mostra perfeitamente esse lado maluco do Raul de viver a sua própria vida à sua maneira. Eu acho a sua originalidade fantástica. Ele morreu bem jovem, eu sei, mas viveu intensamente, não era motivado pelo medo ou por condicionamentos. Não fazia as coisas só porque os outros faziam ou porque era o “certo”. Ele simplesmente seguia o seu caminho, em consciência.

Agora eu lhe questiono! Você tem seguido o seu próprio caminho? Você sente vibração com o seu trabalho? Você ama o contato com as pessoas da sua família? Você gosta do convívio com os seus amigos? Você tem grandes sonhos para o futuro? Por incrível que pareça, essa música nos leva a ter tais questionamentos!

O Raul inicia a música dizendo: “Não sei onde eu tô indo. Mas sei que eu tô no meu caminho. Enquanto você me critica, eu tô no meu caminho. Eu sou o que sou, porque eu vivo a minha maneira. Só sei que eu sinto que foi sempre assim minha vida inteira…”. Aqui há uma interpretação fantástica. Esse “não sei onde eu tô indo” é o grande diferencial não só do Raul, mas de todas as pessoas que decidem sir da massa, sair da boiada. As pessoas medíocres sabem exatamente onde estão indo porque simplesmente fazem o que todo mundo faz, são extremamente previsíveis e suas ações são tão comuns que elas passam pela vida como um “sopro do dragão”, como só mais um na multidão, morrem e seus nomes rapidamente são esquecidos.

O Raul jamais queria esse destino cruel para sua vida, tanto é que revolucionou, seu nome é lembrado e até mesmo idolatrado por muitos. Eu o admiro demais e tudo que eu leio a seu respeito procuro interpretar para aprender algo de bom, e sempre consigo encontrar, exatamente porque ele vivia em busca da liberdade de pensamento. A maior liberdade que pode existir é a de pensamento e tenho procurado desenvolvê-la. Eu acho simplesmente um tesouro você ler os pensamentos de alguém e extrair desse alguém algo de positivo, sem se preocupar com rótulos, com origem, com a vida que o autor viveu. Essa experiência é LIBERTADORA. Eu já li textos de algumas pessoas que, se eu colocasse seus nomes aqui, nossa! Eu seria mutilado pelos leitores. Quero lançar esse desafio. O que acha de pouco a pouco perder o medo de ler outros autores e textos que você jamais na vida pensou em ler antes? O Raul sempre fazia isso e elevou sua consciência a níveis extratosféricos. Quer tentar?

O que acabei de colocar foi o pulo de um muro, o muro CULTURAL. Somos impreguinados por uma cultura que limita nossas possibilidades. Por que limitá-las? A sociedade nos limita para que sejamos reféns desse sistema totalmente voltado para a barganha e o consumo. É possível se libertar e propús um possível caminho agora a pouco.

Eu já pulei tantos muros na minha vida! Você nem sabe! Vou citar alguns. Um dos primeiros foi o da TIMIDEZ. Eu era extremamente tímido, calado e retraído. Tinha até medo das pessoas, não tinha coragem nem de olhá-las nos olhos. Mas fui me trabalhando e trabalhando e, hoje em dia, minha timidez não me impede mais de conseguir e conquistar aquilo que eu quero pra mim.

Trabalhando a timidez

Outro muro enorme, enorme mesmo, foi o caminho para as pesquisas em Física, que havia escolhido na Graduação. Durante o curso fui descobrindo que não era o que eu realmente queria, eu queria ensinar, então estava no lugar errado e convivendo com as pessoas erradas. Decidi sair de lá e seguir meu caminho em outro curso. Não foi nada fácil, mas foi necessário.

Outro muro gigantesco foi o religioso. Já fui bem religioso, mas fui descobrindo o quanto eu estava me limitando em cresças e preceitos que não fariam eu dar o melhor de mim, além de conviver com muitas pessoas que queriam me moldar a um sistema que, definitivamente, não condiz com a minha natureza humana. Foi muito duro e difícil pular esse muro, tive que desfazer várias amizades, mas realmente foi necessário.

Esses são só alguns exemplos. Vale ressaltar a importância do tempo, que tão bem o Raul colocou na sua música. Ele diz: “Você esperando respostas, olhando pro espaço. E eu tão ocupado vivendo, eu não me pergunto, eu faço…”. Foi exatamente isso que eu sempre fiz na minha vida. Não fiquei esperando demais as coisas se resolverem sozinhas, porque quase sempre não se resolvem. Ficar olhando pro espaço é o mesmo que viver uma vida entorpecida e fria, o que ocorre com muitas pessoas de forma bem mais comum do que se pensa. É preciso TOMAR UMA ATITUDE, ser CORAJOSO. Eu precisei de muita coragem para tomar essas decisões que citei e muitas outras que não foram citadas, mas aprendi muito com cada experiência e isso tem feito de mim uma pessoa melhor a cada dia.

Vamos pular muros? Conto com você…

* Para ouvir a leitura desse texto basta clicar [aqui]

Vamos pular o muro?